sexta-feira, 15 de abril de 2016

Blogging Break 2 - a sequela

Este post foi mais difícil de começar do que qualquer outro. Lembram-se de há um ano ter-vos trazido notícias "preocupantes"? Pois bem, hoje é tempo de o voltar a fazer: sim, é isso mesmo, vai haver uma nova Blogging Break.

Blogging Break 2 - a sequela

Há um ano atrás dei por mim, nesta mesma altura, a sentir que não conseguia chegar a todo o lado. Estava a preparar tudo para me juntar com o André, estava a querer lançar novas colunas no blog e ao mesmo tempo a balançar tudo com o meu trabalho.

Curiosamente, este ano, sinto-me mais ou menos igual. Desta vez não tenho uma casa para montar, nem me vou mudar (pelo menos não este mês, mais sobre isso no futuro), mas tenho uma nova casa digital a ser montada e um grande e entusiasmante investimento em mãos que me fazem querer parar por umas semanas e dedicar-me totalmente a eles.


Blogging Break 2 - a sequela

Sim, é isso mesmo, o yoursecretgirl.com vai ter uma nova casa a partir do próximo mês!

E cada vez que entro nela mal posso esperar por a ter no ar. Mas há imenso trabalho a fazer ainda: ajustes no design, organizar novas páginas, importar e ajustar os posts antigos...


E além disto, que já é entusiasmante o suficiente, estou a preparar-me para cumprir um sonho muito especial para mim: vou dizer adeus ao meu querido C2 e dizer olá ao carro dos meus sonhos.

Quão entusiasmante são estas novidades? Mal posso esperar por me dedicar a elas a sério e começar Maio com um blog novo e um novo e lindo... Aha, não vos vou dizer a marca. Adivinhem nos comentários abaixo!


Mas há mais...


E para que o blog não pare e continue a ter conteúdos interessantes para lerem, vou fazer o mesmo que fiz o ano passado: vou convidar-vos a vocês, leitores, que conhecem e lêem este blog, a escreverem um dos posts das semanas que irei estar "offline".

Os temas poderão ser variados e poderão, com todo o gosto, fazer menção aos vossos blogs, páginas, sites ou projectos. Apenas peço que sejam sobre temas que achem que os leitores do yoursecretgirl irão gostar.

Para poderem submeter o vosso guest post, enviem um e-mail para contact[at]yoursecretgirl.com com o assunto "Guest Post - (título do post)", o texto do post e as imagens que gostariam que fizessem parte do mesmo em anexo e com os respectivos créditos.

E não se preocupem, não vou estar longe durante muito tempo. Estou de volta dia 2 de Maio e continuarei activa, tal como o ano passado, pelas redes sociais do blog!


Agora estou com uma terrível indecisão: que cor escolher? Digam-me abaixo: se fossem hoje buscar o carro dos vossos sonhos, qual seria a cor dele?


Um óptimo final de semana para todos e até dia 2!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Healthy Inspiration: Nádia - Perdida em Combate

Há quase um ano inaugurei aqui no blog a rubrica Healthy Inspiration com várias entrevistas a bloggers (e não só) que me inspiram na procura por uma vida mais saudável. Depois de alguns meses estou de volta e desta vez com alguém que não podia estar mais entusiasmada por entrevistar: a menina que me desafiou a um mês de My Fit Self Callenge e me fez mudar a forma como vejo hoje o que como: a Nádia do blog Perdida em Combate.


1. Como costuma ser um típico dia para ti?

Muito calmo. Acordo às 9h e a primeira coisa que faço é beber 0,5L de água. Tomo o pequeno-almoço, consulto as redes sociais e produzo conteúdos para o blog até à hora de almoço. À tarde navego os sites de oferta de emprego, passo algum tempo na rua ao sol e faço exercício físico, também na rua. Por volta das 19h janto, leio e vejo um filme ou episódio de série. Agora que já não estudo e estou sem emprego, a maioria dos meus dias são passados em casa, mas faço questão de sair um dia inteiro pelo menos uma vez por semana – acho essencial para a saúde mental, que é uma parte fundamental do bem-estar geral.

2. O que costuma ser o teu pequeno-almoço de escolha?

Muita fruta, quanta for necessária para ficar satisfeita. Dou preferência às mais densas em calorias, como bananas e mangas, mas gosto de variedade de sabores.



3. Como costuma ser a tua alimentação e actividade física diária? Tens alguma actividade física semanal ou ocasional de que não prescindas?

Recentemente, troquei a minha dieta vegetariana por uma dieta vegana alta em carbohidratos e baixa em gordura. Embora esteja ainda em fase de descoberta, penso já ter percebido o que funciona para mim. São quatro refeições por dia: pequeno-almoço, almoço, lanche e jantar, complementadas por snacks sempre que necessário. Começo com um pequeno almoço de fruta, variando normalmente entre mangas, bananas, kiwis e tangerinas. Estou desejosa que o verão traga boas meloas e melancias! O almoço é, regra geral, uma grande salada, com ingredientes como alface, cenoura, grão, couve roxa, abacate, tofu, couscous… o que tiver vontade nesse dia. Ao lanche volto a comer fruta e ao jantar faço uma refeição cozinhada: esparguete de trigo inteiro com legumes, arroz basmati, batata-doce no forno com cebolinho e sumo de lima são os básicos, mas gosto de cozinhar e experimentar combinações novas.

Quanto ao exercício, tento fazê-lo todos os dias ou, pelo menos, cinco dias por semana. Faço uma caminhada de meia hora ou uma corrida mais curta, seguida por lunges, agachamentos e pranchas. Se não tiver vontade de correr ou andar, opto por outro tipo de cardio, um que possa fazer no jardim de casa. No final vem a minha parte favorita – alongamentos: levo o meu tapete de yoga para uma zona relvada perto de casa, alongo e descanso enquanto aprecio os últimos raios de sol (por hábito, faço exercício físico ao final da tarde).

4. Como consegues coordenar estas escolhas com o teu dia-a-dia?

Estou desempregada e tenho uma agenda desimpedida, por isso alimentar-me como quero e exercitar-me não implica grande ginástica de horários. No entanto, quando estudava, optava sempre pelo prato macrobiótico no refeitório da universidade, levava os meus próprios snacks saudáveis e tentava mover-me o mais possível. Chegada a casa, preparava o meu jantar vegetariano. Na altura não gostava de fazer exercício físico, mas tenho a certeza de que teria encontrado tempo para o praticar, caso quisesse.


5. Quando começaste, o que te custou mais?

Apesar de ter feito, em alturas diferentes, duas mudanças alimentares – a primeira para uma dieta vegetariana e a segunda, recente, para uma dieta high carb, low fat – nenhuma me custou. Curiosamente, foi mais difícil levar a cabo a decisão de me alimentar melhor, que aconteceu há cerca de um ano. Quando me tornei vegetariana não senti dificuldade porque o fiz pelos animais, e foi muito fácil não comer carne a partir do momento em que deixei de a ver como comida. No entanto, como a minha motivação não era a saúde, tinha o equivalente vegetariano a uma alimentação repleta de junk food. Muitas pizzas congeladas, Oreos, batatas fritas, etc. Decidir mudar isso foi o primeiro passo para uma alimentação saudável. Na altura, foi difícil habituar-me a beber muita água e deixar de beber refrigerantes. Mas com persistência tornaram-se hábitos automáticos.

6. Qual o teu alimento / prato saudável preferido?

Um alimento… mangas! Podia alimentar-me só de mangas sem me cansar. Como confort food, adoro salsichas de soja enroladas em couve-lombarda com molho de tomate e arroz basmati.


7. Qual o teu guilty pleasure? Algo que tentas ao máximo evitar.

Eu adoro comida e o meu paladar não discrimina entre comida saudável e junk food. Ataco uma tablete de chocolate com caramelo com o mesmo entusiasmo com que me delicio com uma manga. Então, há todo um conjunto de alimentos que evito comprar, porque sei que se os tiver em casa não lhes resisto: chocolate e batatas fritas do pacote são os grandes culpados. Depois há pratos que aprendi a fazer de forma saudável e desfruto deles sem me sentir culpada. É o caso das panquecas veganas (sem ovos, leite ou manteiga) que faço às vezes.

8. Qual foi a escolha alimentar que mudou a tua vida?

Tornar-me vegetariana (um processo que iniciei aos dezassete anos) mudou a minha vida. Fi-lo pelo bem-estar animal e por acreditar que os animais não são comida. Essa decisão ética fez de mim uma pessoa mais desperta para o que se passa no mundo e mais informada, tanto sobre a horrenda realidade das indústrias de produção animal como a nível nutricional.



9. Tens alguma app preferida que te ajude ou inspire?

Sim! Não vivo sem duas: a “Water your Body”, para registar a água bebida diariamente e me certificar de que estou sempre hidratada e a CRON-O-Meter, que comecei a usar nesta fase de transição para uma dieta high carb, low fat, para garantir que estou a ingerir calorias suficientes.

10. Um segredo bem guardado que queiras partilhar.

É uma coisa muito simples: Podemos sempre fazer mais. Pelo planeta, pelos animais e pela nossa saúde e bem-estar, temos a obrigação de procurar informação imparcial sobre aquilo que comemos. Recomendo vivamente os documentários Earthlings e Cowspiracy.






E então, o que acharam? Espero que tenham aprendido tanto como eu com a Nádia e que tenham ficado com curiosidade de conhecer mais e novas rotinas para uma vida mais saudável. Eu sei que fiquei.

Como sempre, digam de vossa justiça abaixo e digam também: quem acham que deveria ser a próxima pessoa a ser entrevistada? Quem gostavam de ver falar mais sobre as suas inspirações e rotinas? Sugestões?

Uma óptima semana para todos!


<3

PS: Obrigada à Nádia por ter aceite ser minha convidada nesta edição. Foi um prazer ter-te no yoursecretgirl.com!
PS2: E dêem uma espreitadela no blog dela, onde podem encontrar as receitas acima e muitas mais fotografias inspiradoras como as deste post, que são da autoria da mesma.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

My Fit Self Challenge - a retrospectiva

No início de Março trouxe-vos a notícia de que tinha começado um novo desafio, o My Fit Self Challenge com a Nádia do blog Perdida em Combate e outras 22 bloggers. E durante 4 semanas trouxe-vos a reflexão de como corria cada semana. Hoje é dia de vermos o que aprendi, o que desisti de aprender e o quanto este desafio mudou o meu dia-a-dia.

My Fit Self Challenge - a retrospectiva

Entrar num desafio como estes nunca é fácil, mas manter-nos nele é ainda mais difícil. E vocês puderam acompanhar semana a semana como foi difícil para mim conseguir manter-me na linha todos os dias.

Jantar até às oito horas da noite, cortar nos fritos e no fast food, foram algumas das mudanças mais complicadas para mim. A maior parte do mês consegui manter estes pontos durante 1 a 3 dias e isso era de longe o que eu pensava que ia conseguir.

Mas lá está: às vezes prometo coisas a mim própria que acabo por não conseguir cumprir. Mas sabem o que isso me trouxe de bom? Poder parar agora e analisar o que realmente era importante para mim e o que não era.

Neste desafio havia dois pontos que eram realmente importantes para mim quando comecei: fazer mais exercício e cortar na junk food. Sabem o que percebi? Que são os mais difíceis de largar e os que mais falhei.

A meio do mês, percebi que os meus hábitos não estavam a mudar. Continuava a não conseguir jantar antes das 21h, continuava a comer fritos e continuava a ir ao Mc Donalds todas as semanas. Até que percebi que isto não eram simples hábitos que conseguiria deixar do dia para noite, mas sim uma cadeia inteira de maus hábitos.

Porquê que nunca conseguimos jantar antes das 20h? Porque temos uma rotina que torna isso impossível. Porquê comia fritos? Porque os tinha em casa e pegávamos neles quando chegávamos a casa esfomeados... e porque ia ao Mc Donalds. E porquê que ia ao Mc Donalds? Porque chegávamos tarde a casa e não tinhamos paciência para fazer jantar.

Estão a ver? É uma cadeia de acontecimentos. E vão ver que se analisarem os vossos hábitos, vão perceber porquê que não conseguem largar aquilo que vos faz mal ou começar um hábito que tanto querem começar.


Então quais foram as verdadeiras conclusões do meu mês com o My Fit Self Challenge?

  • Não consegues mudar um hábito num mês se não perceberes porquê que o fazes;
  • É uma diferença imensa quando outra pessoa se junta a ti e fazem o desafio juntos;
  • Sair a horas do trabalho = chegar a horas decentes a casa = conseguir fazer jantar = comer melhor = nada de junk food;
  • Decidi continuar a combater o meu vício de fritos (mais propriamente, batatas) e já vou em 2 dias seguidos sem nenhum;
  • Os lanches são a melhor altura para comer fruta e obrigam-me a levantar-me da secretária e mexer;
  • Os legumes são os nossos melhores amigos, principalmente quando são deliciosamente bem feitos;
  • Não bebo tanta água como penso = preciso de beber mais ao final do dia e noite;
  • Adormecer no sofá em vez de ir logo para a cama é parvo e não me descansa;
  • Ir para a cama cedo funciona, mesmo que seja a ver uma série ou a ler;
  • Ter sempre fruta no trabalho e snacks saudáveis foi o meu melhor aliado na conquista por dias com mais energia e equilibrados;
  • Preciso de agendar os meus exercícios se quero realmente fazê-los, senão nada feito.

Sei que ainda é uma lista grande, mas estas foram só algumas das conclusões que tirei durante este mês e que fizeram mudanças fantásticas: o nosso frigorífico está cheio de fruta e legumes (80%, para ser mais específica); todos os dias levo fruta para o meu lanche no trabalho; consegui recusar crepes chineses esta semana pela primeira vez na vida; tenho pacotes de chá especialmente guardados no escritório para ajudar o meu consumo de líquidos e energia; voltei a escrever diariamente no diário que comecei no início do ano sobre a minha procura por uma vida mais saudável e real food; tenho cozinhado 3 a 4 vezes por semana e já voltei a correr na rua semanalmente.


E é isto, pessoal. Espero que tenham gostado de acompanhar a minha experiência neste desafio. Lamento não ter podido ser mais específica, como por exemplo, mostrando o meu peso. Mas a verdade é que só comprámos uma balança lá para casa há 4 dias. Mas bem, se quiserem saber, estou com 59kg neste momento. Sim, a senhora balança está-me a dizer para continuar.

Um grande beijinho a todos e parabéns às meninas e meninos que concluíram o desafio! Estamos todos juntos!

Tânia Sequinho